quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

A alma é que estraga o amor *

Tem sido, então, a alma a minha destruição.
Quero antes de tudo a cópula do espírito,
o encontro quente e úmido da sua essência.

Seria Deus um grandíssimo amante egoísta,
ao guardar, para si, a compreensão das almas?

Antes de tudo quero a comunhão do sagrado,
que seja, eu, um maldito condenado e profano,
mas preciso venerar o corpo e possuir a anima.

(aos 120 anos de * Manuel Bandeira
e aos amores que a vida me deu)

    urhacy faustino

Nenhum comentário: